28 de mar de 2013

Não custa nada arrancar um sorriso de alguém.

Talvez eu só precisasse distrair, de uma risada, ou uma brincadeira idiota.
É querer demais? Querer os que você ama bem, querer que tudo ou a maioria dê certo?
Eu sabia que esse dia chegaria, o de ter muitas responsabilidades, o de dar conta de pagar as contas, quitar as dívidas, controlar as medicações da minha mãe, vigiar as reações dela, lidar com a bipolaridade, a depressão, o consumismo dela, fazê-la feliz.
Eu saberia que além de tudo isso, teria que dar conta da faculdade, das provas, trabalhos e também do estágio. Mas eu tenho que agradecer á Deus, sei disso. No primeiro período minhas notas estão boas, eu consegui um bom estágio em uma área que eu gosto e estou enriquecendo meu currículo. Minha mãe está controlada, saudável e estou, aos poucos, aprendendo a lidar com as finanças. Creio eu, estou me saindo bem nisso também.
Só o que ninguém entende, e quando digo ninguém... é ninguém mesmo, é que ás vezes me parece que eu não vou conseguir, que mesmo sendo pouca coisa para lidar, é muita para mim. Há dias em que penso como seria, se fosse tudo diferente.
Ter uma mãe sã, ter uma família mais unida ou presente, ter amigos que realmente se preocupem comigo quando perguntam: "tudo bem?", ter que viver a adolescência e juventude e enfrentar os problemas que essas fases trazem sem ter que "ser" adulta.
Sou forte.

Eu sou muito forte. Eu consigo lidar com tudo isso.
Não quero pena, não quero dó. Não quero que fique sentido comigo.
Eu quero que entenda. SUA VIDA É LINDA.

Mesmo com seus problemas, com os meus, nossa vida é linda e precisa ser vivida assim.
Aproveite os bons momentos, faça dos ruins aprendizado.
Faça quem ama feliz.
Não custa nada arrancar um sorriso de alguém.



14 de mar de 2013

Eu tenho tanta coisa a falar, que cheguei a fazer um rascunho com os tópicos.
Mas hoje estou tão exausta, de tudo, de todos...
Hoje o desânimo não me bateu, me surrou.
Deu vontade de sair, viajar, sumir daqui.
Dos problemas, dos pessoais e dos gerais. Da individualidade, das pseudo amizades, da família, do PC, da TV, dos livros, da faculdade.
Deu vontade de fugir das críticas, dos comentários coercivos, da discussão, do preconceito.
Quero chorar sem parecer fraca.
São tantas as dificuldades e estas são algumas, das muitas que ainda vão surgir.
Me sentia adulta, mas minha alma e minha mente estão em formação ainda... todos os meus conceitos, minhas verdades, minhas certezas estão sendo construídas ainda, estão todas em dúvida.
Sou uma criança aprendendo a caminhar na dura vida dos adultos.