31 de jul de 2010



A quem me pergunta se sou pessimista ou otimista, respondo que o meu conhecimento é de pessimista, mas a minha vontade e a minha esperança são de otimista.

Albert Schweitzer

eu prefiro ser,

essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo!


Metamorfose:  2.Mudança profunda. 3. Transformação. 4. Alteração no caráter.
Essa palavra me define.
Pense em um sinônimo meu... metamorfose.
Em constante mudança, mudança profunda, transformação, alterar meu caráter.
Ser melhor, a cada dia poder ser melhor.
Rever meus conceitos, acreditar no que penso ser certo, escolher as opções corretas, andar no rumo que considero o melhor.
Mudar de opinião, morrer de rir, cair em lágrimas, ser contraditória, ser decidida, ser cabeça dura, ter mente aberta, experimentar coisas novas não abandonando as antigas, amar meus amigos, não confiar em todos...
Descobrir sempre um outro sifnicado, o outro lado da moeda, as cifras das músicas, as traduções das minhas canções, a intertextualidade dos meus textos, as pessoas que admiro e as que considero fúteis, meus leitores, meus ouvintes, minhas palavras, minha boca e ouvidos, meus cabelos e unhas, minhas caras e bocas.
Minha mudança constante, minha vontade de ser.
Meu desejo de sair da rotina, de mudar a vida, de ser inconstante, de ser interessante, de causar polêmica, de me esconder, de correr, de sumir.
Agradar ou não. Simpatia x Antipatia.
Prefiro ser assim, um brinde á minha cara de pau!

Tim-Tim ;)

a inveja nunca é plena,

mata a alma e a envenena!


Grande Chaves que disse essas sábias e verídicas palavras!
Popularmente, a inveja é divida em dois tipos: inveja boa e a má.
Inveja boa, falam que é quando você deseja ter aquilo que o outro tem também, porém, todavia, contudo, no entanto, não deseja que ele deixe de possuir aquilo, por você não ter.
Ou seja, é a vontade de que aquilo acontecesse com você também, indiferentemente, se acontesse ou não com a outra pessoa.
Inveja má, bem... é o oposto.
Dizem as más línguas, que é ver alguém feliz e desejar que ela não estivesse assim, porque você não está.
"Se você não merece ser feliz, então, ninguém merece oras." Esse é o pensamento de um invejoso nato.
Confesso que já senti várias vezes o primeiro tipo de inveja.
Mas eu aprendi cedo, que se eu quisesse aquilo, era apenas eu que poderia conseguir.
Então eu corria atrás e a maioria das vezes, conseguia o que eu queria.
Aprendi que apenas desejar, não muda em nada e ainda me deixa com uma tremenda dor de cutuvelo.
O segundo tipo nunca senti, e agradeço a Deus todos os dias por isso.
Acredito que todo mundo tem o que merece, cedo ou tarde.
E o que for de mérito meu, será meu. O que não for, não será.
Seria tão bom se todos conseguissem, assim como várias pessoas que conheço, distinguir uma inveja da outra e ver que isso atrapalha, não o sucesso de quem é invejado, mas o do que inveja.
Enquanto você quer ver o outro mal, sem tudo aquilo que você deseja, a sua vida está passando, as suas oportunidades voando e você, não as vendo passar.
Inveja é atraso de vida. Do invejoso, é claro.
Fica tão preocupado em desejar o que é dos outros, que o que é seu de direito, você não vê, ou até mesmo rejeita sem ao menos saber o que está perdendo.
Oportunidade! É ela uma grande inimiga da inveja, então se você anda com uma, pode ter certeza... a outra estará longe.

Fique atento, enquanto você olha o sorvete alheio... o seu está derretendo ;)

29 de jul de 2010

os medos, anseios que deixei pra trás ♪


A madrugada é tão fria e traz com ela a solidão, sua companheira inseparável.
Solidão traz com ela o silêncio, que é inevitável pois onde um está o outro se faz presente.
Madrugada preguiçosa que contagia o relógio e os seus ponteiros parecem se arrastar a cada segundo, fazendo a noite parecer ainda mais longa do que já é.
Enrolada em meio a vários cobertores, tentando afastar o frio que sente dentro de si, abraçada ao seu pequeno urso de pelúcia cor verde já velho e acostumado com seus fortes abraços em momentos de angústia.
Ela assistia um filme de romance, mas mal prestava atenção nas cenas. Sua mente viajava longe, em vários momentos do passado, em momentos futuros, em sonhos, em lembranças...
As lágrimas foram rolando e os soluços foram inevitáveis.
Ela sentia uma dor forte no peito, como se houvesse um grande furo em seu coração onde habitasse ali todos os medos do mundo.
Medo de perder quem mais amava, medo de fracassar, medo de aranhas, medo da solidão, medo do que estava por vir, medo do escuro, medo de sentir medo.
Ela de fato vivia? Ou apenas o medo de arriscar que se mantinha vivo dentro de sua carcaça?
Ela realmente era forte como aparentava? Então porque chorava trancada em seu quarto em noites frias como aquela?
Quando o sol enfim decidiu nascer, trouxe com ele o calor e a esperança de que sendo um novo dia, tudo poderia mudar, tudo poderia acontecer.
Ela abriu a porta do seu quarto, do seu esconderijo. Ali deixou suas companhias: a solidão, o silêncio, o frio e seu pequeno ursinho de pelúcia velho e úmido de enxugar tantas lágrimas de sua dona naquela noite.
Lavou bem seu rosto, levantou a cabeça e saiu com aquele sorriso largo que todos conheciam e tanto gostavam, oferecendo um belo dia a quem passava.
E a resposta para a pergunta que tanto lhe aflingia e angustiava, ela descobriu:

Não sentirei medo da vida, mas viverei meus medos.
Pois corajoso não é o que diz não sentir medo de nada e sim aquele que o assume e o enfrenta.

Acabou


Foi um daqueles dias em que você quer que o tempo volte.
Ela entrou pela porta e olhou-o fixamente por exatos três segundos, dirigiu-se a ele sem ao menos olhar em seu semblante.
- Acabou. – disse ela com frieza.
- Como?! – gaguejou ele.
- Não tenho satisfação em viver ao lado de alguém que por tanto tempo nunca me respondeu uma pergunta sem antes fazer outra pergunta.
- Você nunca me deixou tentar mudar.
- Então me diga: QUEM VOCÊ AMA MAIS: EU OU SUA CARREIRA?
- Que diferença isso faz?
- Pronto, acabou.
Ao perceber que não a faria desistir ele tomou coragem e disse tudo o que planejara a anos:
- Acabou.
- Como você pode dizer isso? Eu falei que acabou primeiro, agora você quer se sentir dono da situação e vem dizer que acabou?
- Não! Eu disse que acabou o tempo para que eu possa mudar. Sempre pensei em fazer ou dizer algo diferente, mas agora não dá mais.
- Então... Acabou?! – disse ela.
- Sim! Imagino como você deve estar se sentindo. Em nosso casamento eu disse que a faria feliz e sempre a fiz desorientada, prometi amor eterno e sempre a deixei solitária. E agora acabou.
- Mas... – ela não tinha argumentos e acabou percebendo que talvez tenha dado muita ênfase ao acabou.
Ele estava decidido a deixá-la ir embora quando ouviu:
- Acabou.
- Eu sei. – disse ele baixando a cabeça.
- Acabou minha impaciência, serei mais compreensiva. Acabou o tempo de reclamar sem ajudá-lo nos problemas. Tomaremos mais decisões juntos.
Logo o semblante dele se iluminou de alegria.
Os dois decidiram, afinal, que realmente: ACABOU, todo o rancor.
 
Texto de Fabiano Romero
Blog: *http://medodisso.blogspot.com/*

28 de jul de 2010

La Confesión - Parte II


Acredito que o final da minha história não vai ser como as minhas queridas leitoras esperavam..
Que depois de me declarar, ele confessou me amar secretamente e assim nos beijamos e fomos felizes para sempre.
Na verdade, até certa parte realmente foi cena de filme, agora o restante foi a nossa velha amiga já conhecida: realidade.
Ok, vamos começar do começo.
Eu estava com uma dúvida danada de dizer ou não, de me arrepender ou não, se eu realmente gostava ou não.
Mas já escutaram aquela frase? Quem não arrisca, não petisca?
Pois então, eu tentei e arrisquei.
Chamei ele pra conversar no máximo de minha coragem e cara de pau durante o intervalo da escola e disse pra ele tudo o que eu pensava e sentia.
Não disse que o amava, estaria mentindo. Disse que eu gostava muito dele e ultimamente era ele quem ocupava os meus pensamentos. E no final de tanta coisa que falei, o sinal tocou e entramos pras nossas salas, eu sem uma resposta e ele sem uma palavra de tanta perplexidade eu acho.
Quando o sinal de ir embora toca, eu saio em retirada para não perder o horário do meu ônibus.
Resultado: ficaria curiosa até o dia seguinte.
No outro dia de de aula ele veio me dizer que no final de semana iríamos sair para conversar melhor.
Ah, eu odiei!
Sou muito curiosa e também muito decidida, isso de conversar e conversar e não chegar em lugar nenhum pra mim é andar em círculos, é perca de tempo e aí já comecei a pensar que tinha feito besteira em falar tudo aquilo.
Comecei a pensar que as atitudes dele não eram as que eu esperava e que talvez eu tenha me apaixonado pela imagem que tinha feito dele e que não era verídica.
Final de semana saímos e fomos ao shopping, um lugar que, sinceramente, não acho a melhor das opções para se ter uma 'DR' se podemos assim falar...
Ok, ele já não começou bem, mas elevemos.
Começou a falar comigo, pegou na minha mão e disse várias coisas totalmente sem nexo, que juntando tudo, continuava sem nexo.
No final, eu olhei pra ele e disse: conclui por favor
E ele disse que gostava de mim também, mas tinha muito medo de arriscar antes, mas já que tive coragem de falar com ele, ele acha que valia a pena e talz.
Ele disse que queria ficar comigo, se eu realmente quisesse ficar com ele e me beijou.
Eu fiquei tão feliz que nem percebi direito a condição... se eu realmente quisesse ficar com ele.
Fomos ao cinema, aproveitamos bastante aquela tarde.
E se passou 1 semana, ficávamos sempre na escola, ele me ligava todos os dias e eu mandava mensagem sempre.
Me lembrei os motivos que faziam eu sempre discutir com ele de alguma forma...
Esses motivos começaram a se mostrar mais fortes e comecei a perceber que da minha listinha de prós e contras, o contra ganhava em disparada.
Aonde eu estava com a cabeça?
Eu devia além de estar carente, também confusa e decidi tomar uma atitude antes de ter a devida certeza.
Agora eu poderia magoar o coração de um amigo que gosto demais.
Aquilo começou a me consumir, não tinha mais assunto pra conversar com ele e não queria encontrá-lo pois não saberia como agir.
Até que decidi chamá-lo pra conversar pois se não estava bem para mim, para ele também não deveria estar.
Contei tudo o que eu achava e ao contrário da primeira vez, estava confiante e tinha certeza que eu estava tomando a decisão correta. Parece que algo me impulsionava e uma voz baixinha me dizia: vai em frente e faça o que acha certo.
Ele olhou nos meus olhos e disse que queria continuar, que queria tentar ficar comigo pois gostava mesmo de mim.
Aquilo acabou comigo. Mas usei meus maiores argumentos e consegui ser fria e objetiva.
Eu sabia que ele gostava muito de mim, mas também tinha a certeza que era como amiga.
Sabe quando lá no fundo você sente que ele está enganado da mesma forma que você esteve?
Acho que é porque eu também estive desse outro lado.
Ele então, acabou concordando comigo nos argumentos e disse que talvez o melhor fosse a amizade mesmo.
No final daquela tarde, ainda conversamos bastante como amigos e na hora de voltar pra casa ainda aconteceu um beijo-despedida que foi, confesso, bastante inesperado.
Partiu meu coração ver no rosto dele a vontade de tentar mudar aquela situação, mas no fundo do meu coração, e eu acho que do dele também, eu sabia: não era a pessoa certa pra ele.
Saí com lágrimas nos olhos, mas com um conforto no coração de tarefa cumprida.
Sentei naquele banco de ônibus e vim meditando sobre tudo e como sempre faço, tirei uma lição de tudo isso:

"Cada escolha, uma renúncia, isso é a vida"  ♪

27 de jul de 2010

you are the only exception


Existe aquele, que é a exceção, que vai fazer eu cair em contradição, que vai me fazer mudar de opinião e acelerar meu coração.
E ele não foi nem é você.
Me enganei quando pensei assim, quando vi em você o amor da minha vida.
Sentimentos são traiçoeiros e confusos, enganam fácil as pessoas que acreditam neles.
Eu tola, acreditei, me entreguei, me apaixonei, amei.
Acabou.
Não era amor, não era sincero, nunca foi.
Foram apenas palavras jogadas ao léu com intenção de iludir, de mentir, de machucar.
Você não foi a exceção, você não foi 'aquele'.
E hoje, juntei os pedaços do amor que você não soube cuidar e estou vivendo, reconstituindo a cada dia, a cada suspiro, uma parte dele que você arrancou.
Estou superando, como guerreira que sou.
E você? Você hoje está sozinho.
Pode estar com outra mulher, com qualquer amigo, mas estará sozinho.
Porque todo aquele amor que te ofereci, ninguém oferecerá igual.
Hoje você sente a falta que ele te faz, hoje você o quer de volta, hoje é tarde demais.
Você mente, inventa estar feliz para mim.
Quer enganar a quem? A si mesmo?
Porque a mim, não mais.
Viva com seu falso amor e com sua falsa felicidade, viva com a nostalgia do amor que você recusou.
Viva assim, se conseguir.

sz



E depois de tantos desencantos, será você minha única exceção?

26 de jul de 2010

Filmes da vida


Não é que desacreditei, apenas não me iludo fácil com meros contos de fadas.
Naquilo do homem dos seus sonhos, do cara amoroso mas não pegajoso, que faz surpresas sem datas e porquês especiais, do cara que diz um 'eu te amo' verdadeiro e não banal.
Pra mim isso se tornou ficção.
É apenas uma bela longa metragem de romance ou drama, que de real nada tem, apenas a dramatização e créditos aos atores.
Sinto muito pelas pessoas que passam a vida esperarando o final feliz de um conto de fadas imaginário.
Não sou pessimista, sou realista.
Só estou vivendo minha vida tal como ela é e não vou fingir emoções nem sentimentos como o script manda para poder agradar meros telespectadores da minha vida.
Afinal, o filme tem que agradar ao diretor que é o responsável por ele, com fama ou sem ela, o que importa é o que ele pensa e não os que irão assistir.
Eu ajo segundo o que penso e acredito, podendo surpreender e até assustar.
Excêntrica? Não, autêntica.
Sempre haverá alguém para te julgar e criticar, cabe a você levar ou não em consideração.
Sempre haverá alguém para te elogiar e parabenizar, cabe a você medir o tamanho do seu ego.
A capacidade para mudar sua realidade, depende unicamente da SUA atitude.
Eu estou mudando a minha diariamente, afinal, a metamorfose é constante no meu filme e ele não pode parar... o estilo do meu? AÇÃO.

16 de jul de 2010

~ aquela nota musical


"Pensei que você fosse a nota que mudaria o ritmo, que faria a diferença, mas apenas soou como todas as outras canções"

15 de jul de 2010

faz-me rir


Eu adoro receber comentários nos posts.
Isso me anima muito a escrever...
Confesso pra vocês que se de um dia para o outro todo mundo decidir não mais comentar, em nada me afetará porque eu escrevo com a intenção de expor o que sinto e o que penso, não para que os leitores possam criticar ou apoiar o meu modo de pensar.
Independente do que digam ou não, eu não vou mudar a minha opinião.
Adoro receber elogios, quem não gosta?
Amo quando as pessoas vem dizer que tem erro de português em algum texto meu, porque sei que ela parou pra ler e poder perceber aquilo.
Amo quando me dizem que concordam e também quando dizem que posso estar equivocada.
Sou alguém de mente aberta e estou disposta a escutar sua opinião, posso muito bem mudar a minha pois não sou ignorante a ponto de ignorar todos que pensam de forma contrária a mim.
Adoro as críticas. Adoro bem mais as críticas do que os elogios.
Pricipalmente aqueles que te criticam, não com a intenção de fazer você melhorar, mas sim com o intuito de fazer você se sentir uma péssima escritora, péssima pessoa, péssima tudo.
HAHA'
Faz-me rir querido.
Em nada vai me atingir suas palavras! Penso o que penso e falo o que acho que devo falar e isso não vai mudar.
Não gostou do que leu? Ok, cada um tem suas preferências e quem sou eu para mudá-las?!
O mais engraçado ainda é criticar em anonimato.
Isso me gera muitas outras risadas para animar meu dia.
Criticar é bom né!? Agora mostrar a cara?! hihi, isso não é bom :P
Estou muito feliz com meus textos, com meu blog e com minha forma de pensar.
Se eu mudar de opinião, eu venho aqui e mostro isso.
NÃO TENGO VERGONHA DE FALAR O QUE PENSO e demonstrar isso a quem quer que seja.
Eu sou Alyane Rodrigues Baraky e tudo o que está no meu blog eu assino em baixo.
Se mudo de opinião, vou me redimir e assumir minha nova posição. Mas se não mudo, não adianta mesmo baby, não irei mudar.

Obrigada pela atenção, bjs me liga ;*

13 de jul de 2010

é, tô indignada

Homem não vale nada. A maioria ao menos não.
Se você é gostosa ou bonita tem 98% de chance de que quando ele está com você, vê um monte de peitos e outro de bunda e um buraco no qual ele possa enfiar algo que lhe interesse.
Se você ao menos tem esse tal buraco, ele vai te ver com outros olhos.
Ele vai ser o jogador com o taco e a bola prontos pra acertar a 'caçapa'.
Os 2% de chance de ele ver outra coisa, bem... é praticamente impossível.
Sejamos realistas e não pessimistas.
Não vamos generalizar também, nem todos são assim, só a maioria.
2% existe. É por esse que você espera.
É pelo príncipe encantado de conto de fadas que você vive suspirando e na verdade, não foi criado e nem será.
Aquele cara que conversa olhando nos seus olhos e não pro seu decote.
Que quando te beija, pega no seu pescoço e cintura e não na bunda e peitos.
Aquele cara que tem conversas interessantes, que sonha construir coisas com você, que pensa no casamento e em uma vida juntos. Aquele cara que não pense apenas na lua de mel, sacoé?
Sempre esperamos por esta porcentagem, mas os 98% insistem em prevalecer.
Cabe a nós distinguir um do outro e quebrar a cara algumas milhões de vezes até encontrar o que vai valer a pena toda a espera e decepção.
Mas, bem que vocês meninos podiam ajudar né?
Essa grande maioria de vocês pensa estar ganhando pegando todas as gostosonas, mas quem perde são vocês.
Perde a partir do momento que desprezam um sentimento verdadeiro de alguma garota por você para ganhar um momento de prazer.
Uma hora vai te bater arrependimento, mas pode ser tarde.

ODEIIIIIIIO


Odeio isso.
Odeio sentimentos platônicos.
Odeio sentir amor por quem me odeia e odeio despertar paixão em quem gosto apenas como amigo.
ODEIO ODEIO ODEIO
Odeio não poder retribuir, odeio não ser recíproco.

Odeio odiar os sentimentos espontâneos. Odeio fazer chorar quem me faz rir, odeio gerar risadas em quem pouco importa pra mim.
Odeio tudo isso! Odeio não poder contrariar o coração, odeio não poder mudar a situação.

Odeio Odeio Odeio

12 de jul de 2010

Estante de Fracassos


Sempre fui apaixonada por livros, agendas, poemas, lápis e papel.
Não podia ver um pedaço de folha em branco que precisava desenhar, escrever ou rabiscar.
Em todos os momentos, escrever foi meu remédio e também cura pro meu tédio.
Apaixonada, precisava escrever poesias e colorir corações em tudo o que eu via!
Triste, textos melancólicos e papéis molhados por lágrimas derramadas era o que mais se encontrava.
Brava, sentia-se a ira em rabiscos desordenados com traços fortes capazes de matar ou morrer enquanto palavra.
Meu companheiro de todas essas horas, que sabe mais de mim do que eu mesma. Meu vellho diário.
Aquele que lembra os momentos que minha memória exausta por conter tanta lembrança, se esquece.
Aquele velho amigo que não me deixa esquecer o essencial e também o essencialmente supérfulo para mim.
Aquele livro esquecido e empoeirado em meio a tantas outras lembranças na minha estante.
A estante da vida que guarda meu diário, minhas lembranças e meus sonhos não realizados.
Minha estante de fracassos.
Meus fracassos, minhas falhas que são tantas que quase não as suporta, a minha pobre estante.
Os troféus e medalhas por vitórias e fracassos. A minha VIDA.
São importantes pra mim. Cada falha, cada tropeço, cada pedra no meio do caminho serviu para construir essa armadura forte que me ajuda nas batalhas de hoje.
A armadura dessa guerreira que suporta tanta coisa no seu dia-a-dia.
Eu que faço do meu fracasso um aprendizado e da minha vitória um incentivo.
Ou do meu fracasso meu desistir e da minha vitória meu ego maior.
Da minha estante e do meu caminhar, cuido eu.


"Porquê carros e aviões, se tenho sonhos e pernas?"   Vander Lee

x


"Cada dia que passo sem sua presença sou um presidiário cumprindo sentença"

Estou presa á aquilo que chamo de liberdade.
Me sinto dona do meu nariz, dona de mim mesma, pagante das minhas contas, construtora do próprio destino, mandante do meu relógio.
Me sinto aventureira, pronta a arriscar, forte e invencível. Me sinto independente daquele amor.
Apenas sinto.
Pois não sou... não sou dona do destino, não sei do meu futuro, não estou pronta pra arriscar minha estabilidade, minha fortaleza, sou dependente daquele amor.
Estou á sua espera. Falta ele para tudo acontecer.
Vivo a espera nos meus dias. Quando você vem?
Para acabar com a falsa liberdade e a felicidade inventada por mim?
Quando chega aquele por quem meu coração palpita sem saber?
Vivo a espera. A espera me vive.
Não vivo por mim, vivo por ti.

faço minha parte


Tudo o que escrevemos é direcionado a um tipo de público, correto?
Não, não está certo. Eu não escrevo destinado a ninguém.
Meu público sou eu, é o meu eu mais íntimo.
E meus textos são as partes mais exteriores de mim, aquelas que se conseguem expor.
Muito pouco. Esses textos não são nada ou muito pouco.
Tem seus dias e momentos para serem lançados numa folha de papel, numa página de web para serem lidos e interpretados por outros, que não fazem idéia da confusão que existe dentro dessas frases, nas entrelinhas do meu eu.
Os que leem, conseguem ao menos imaginar. Nisso, já me sinto mais feliz.
Escrevo átoa? Não mesmo. Faço minha parte.
Estou fazendo com que pessoas usem sua imaginação, lendo e criando sua própria interpretação.
Estou ajudando a criar pessoas, pessoas pensantes.

6 de jul de 2010

o-p-i-n-i-ã-o

É verdade que é sempre bom ter mais de uma opção de escolha e também ouvir o que as pessoas acham certo você fazer. Isso pode te esclarecer ou então te confundir ainda mais na decisão a ser tomada.
Mas aos meus amigos que estão lendo meu blog, aí vai um conselho:
- quando eu quiser uma opinião, pedirei.
Porque cansa a beleza de qualquer um, aquela pessoa que palpita tudo o que você faz na vida.
Você acha que estou fazendo uma burrada? OK, deixa eu quebrar a cara, é bom que aprendo.
Você acha que vou sofrer depois? OK, isso vai me trazer experiência.
Você acha que eu não vou conseguir? OK, eu volto e tento de novo.

Seguir opinião dos outros sempre, é não viver a sua vida, e sim a dos outros.

*Ouça sua consciência primeiro, e só depois os palpites de terceiros. #fikdik

1 de jul de 2010

- preciso do meu tempo

Preciso viajar.
Quero sair desse lugar, dessa rotina, dessas pessoas, de mim.
Quero ir pra algum lugar que eu possa sair pra andar sem rumo, sem ter hora pra voltar, sem encontrar alguém conhecido pra me perturbar, sem ter que preocupar com meus cabelos embaraçados, minha cara amassada e roupa amarrotada.
De preferência litoral. Pra mim, a melhor sensação do mundo é sentar nas areias de uma praia anoite, como se a lua e as ondas só existissem pra você. Não há forças que não sejam renovadas com o luar e o mar.
As ondas levam tantos pensamentos ruins, colocam as minhas verdades em ordem e lava minha consciência e alma.
A lua me deixa ciente da minha pequinês. Me coloca no meu devido lugar, me mostra que a dimensão que dou ás coisas são completamente exageradas e que tudo é muito simples, eu é que complico.
Ando precisando de fazer loucuras. De pular de asadelta, de dirigir acima da velocidade, de correr muito sem ter lugar pra chegar, de esquecer do relógio, de aposentar meu celular, de comer muito chocolate sem pensar em dietas, de cair na rede e relaxar, de andar de bicicleta e skate, de fotografar, de assistir minhas séries prediletas, de ler meu livro...
Ando precisando de um tempo só pra mim.

Ando precisando ser dona do meu relógio e não ele de mim.

meus pitis...


Não entendo o motivo de algumas pessoas insistirem em gostar de mim.
Meus defeitos são tantos e tão irritantes que me incomodam.
Sou inconstante. Talvez a inconstante mais inconstante que exista.
A pior das bipolares.
De manhã estou feliz, animada e falando pelos cutuvelos.
De tarde estou nervosa, com cara de c* e distribuindo patadas grátis.
De noite estou triste, com vontade de ficar totalmente isolada do mundo e dos seres humanos e pensando em todas as coisinhas da minha vida, até na morte da bezerra.
Isso é todo dia. Não necessariamente nessa ordem.
Sou mandona e nervosa. Se as coisas não saem do jeito que eu planejei, isso acaba com meu dia.
Se as pessoas não agem como eu queria, eu fico extremamente irritada.
Se  eu demonstro meu sentimento e o mesmo não recebo em volta, eu mato o sentimento.
Se minha cachorra me desobedece, ela entende só de olhar pra mim que a coisa ficou feia pro lado dela.
Meus amigos mais chegados sabem quando eu estou prestes a bater a cabeça na parede até rachar a cabeça ou a parede, só de me olharem.
Sou implosiva. Eu morro de raiva, eu falto morder alguém.
Eu fico calada. Eu respiro e inspiro 524898755874 vezes pra não murrar a cara de alguém ou a minha.
Guardo tudo o que sinto e o que penso dentro de mim e não consigo colocar pra fora.
Isso acaba comigo. Chega uma hora que não consigo mais guardar tudo, me debulho em lágrimas no canto mais escuro do meu quarto, agarrada ao meu pequeno urso de pelúcia que já está acostumado a ser procurado nessas horas. Ele me entende muito bem sem eu ter que soltar qualquer palavra.
Ele não me pergunta nada, ele só fica junto de mim. Isso eu queria muito ter, mas das pessoas e não apenas de um urso.
Eu não funciono sob pressão. Nem adianta vir me cobrando nada, eu faço o que posso, o que sou capaz e até mais, mas não venha se impondo. Sei o que devo fazer e se não souber, pergunto e obrigada.
Sou orgulhosa. Não queria ser assim, mas...
Peço desculpas sim, claro! Quando acho que estou errada.
E quando acho que estou com a razão, esqueça.
Não conversaremos até você se redimir.
Eu sou ciumenta e carente.
É, eu preciso de muita atenção, de toda a atenção.
Me sinto facilmente esquecida e insignificante. Mas nem é tão difiícil assim lidar com isso, pequenas atitudes são o mais me fazem feliz... difícil é você descobrir isso.
Eu escrevo muito, coisas que ninguém lê.
Eu falo muito, coisas que ninguém escuta.
Eu me decepciono muito. Eu espero muito das pessoas.
Eu espero muito de mim mesma. Eu falho.
Eu quero alguém que reconheça que eu tenho todos estes defeitos e goste de mim justamente por eles.
Porque, qualidade por qualidade, é muito fácil gostar do que te atrai.
Lidar com tudo isso em alguém e no final ver que sem ela e seus pitis você não consegue sorrir mais...
isso é amar.

Falou tudo! (ý)

11 coisas que um namorado NÃO pode ser:

1- Grudento
Mulher não gosta de mimimi. Mulher gosta de macho! Não tô falando pra chegarem batendo, sendo grosso ou sei lá, mas machos de terem pulso firme, controle, não deixar a mulher montar em vocês, mas, ao mesmo tempo, ser carinhoso, gentil enfim…

2- Ciumento demais
Ter ciúme na medida certa é sempre bom, mostra que você é atencioso e gosta de cuidar do que é teu. Mas regular horário, roupas (não aquelas de “funkeiras” que também é sacanagem), amigos e até com quem ela fala no MSN é ridículo! Se ela tá com você, é porque ela quer, tenha orgulho disso.

3- Certinho demais
Não tô dizendo que isso é um defeito, mas o cara que não bebe, não fala palavrão, não faz piadas, não gosta de sair e etc. Já tropeçou… e quem tropeça, a fila anda.
(ps: Eu não concordo com esse 1º e 2º rs)

4- Metrosexual
Primeiro que – como diria Diogo Portugal – metrossexual não é gay, mas tem alvará pra ser. Como uma mulher pode gostar de um homem que se cuida mais que ela? Tá certo que, usar uma roupa legal, ser perfumado, barba bem feita, é obrigação de qualquer homem. Mas homem fresco, aquele que apela para o “mousse” de cabelo, passar hidratante, passar base na cara, dar palpite na roupa que ela usa, DEPILAR O PEITO!!! AHHHHH não isso não!!


5- Ter "alma" de solteiro
Eu explico: se você escolheu namorar, você se priva de fazer várias coisas das quais fazia quando era solteiro, nem preciso citá-las. Cada um deve ter sua liberdade em um relacionamento, mas querer deixar de lado, ou sair sem querer dar satisfação para a namorada é sinal de que você não está pronto para assumir um relacionamento. Fique solteiro.


6- Bêbado chato
Beber é legal, a gente fica bem humorado, feliz. Mas o cara que bebe demais e fica fazendo brincadeiras de mau gosto, acha que é invisível e faz a gente passar vergonha, tropeçou de novo.
(ps: Eu acho que beber não é legal)

7- Infantil
Fazer piada, brincar e tals são coisas legais. Mas não faça brincadeiras que você não quer que façam com você. E ficar brabinho, de bico e cara feia é coisa de criança.

8- Hiperativo
Ficar cutucando, fazendo cócegas, enfiando o dedo no nariz da namorada e coisas do gênero são insuportáveis. Se ocupe de outra forma, faça outro tipo de coisa com tua namorada.

9- Hipócrita
As mulheres odeiam quando seus respectivos as tratam diferente quando estão na frente dos amigos. Não fiquem mandões, estúpidos e dando uma de machão passando a imagem de “eu mando nessa porra”. É ridiculo.

10- Cricri demais
Homem que fala mal de todo mundo, fala mal das suas amigas, do seu pai, da sua Família. Tem inveja das pessoas e quer sempre dá palpite em tudo na sua vida… vishii, homem cricri demais é tenso!! Ninguém merece.

11- Tarados
Mulher adora um homem fogoso, claro. Mas na frente dos outros é feio né?! Ficar passando a mão e pegando, tudo pra mostrar pra todos que aquilo tudo é teu, é pura sem-vergonhice. Existe hora e lugar pra isso, se acalmem.
(Depois do casamento gnt :B)

→ ela leu meus pensamentos ;)
extraído do blog da DaaOliveira
*http://daaoliveira.blogspot.com*