16 de mai de 2010

Ainda não tem nome.


Definitivamente...
... odeio PORQUÊS!

Poderia me explicar o motivo ( se existir) de termos que ter sempre um porquê, uma razão de tomarmos tal atitude?
A todo momento temos que dar satisfação dos nossos atos a alguém.
Quando estamos em casa, é para nossos pais;
quando saímos, para nossos chefes;
quando casamos, para nossos cônjugues e vira um ciclo vicioso.
Quero isso, farei isso e NÃO tem um porquê.
Aliás, tem sim!
Porque EU QUERO.
Sei que existem pessoas & pessoas.
Algumas nem entendem minha indignação por essa dependência.
Acostumaram-se com suas vidinhas subordinadas. Acomodoram-se.

EU NÃO.

O que eu quero é bem mais.
É mais do que ser dona do meu nariz, é mais do que fazer o que me der na telha, é mais do que não ter hora pra voltar pra casa.

" Liberdade é pouco. O que eu eu desejo ainda não tem nome."
Clarice Lispector

6 comentários:

  1. Eu li como se fosse português.. kkkkkk

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    e RELEU como se também fosse! kkkkkkkkkkkkkkkkk
    só você mesmo Moan!

    ResponderExcluir
  3. As vezes também fico cheia de tanta pressão, e tanta gente cuidando da nossa vida, falando o que devemos fazer e saber tudo o que fazemos, dando satisfação de tudo, realmente muito chato.
    Mas então, deixei um selinho pra você no meu blog, bjos.

    ResponderExcluir
  4. poh, adorei, falou um pouco do que eu sinto! :]
    e ainda fez uma citação a nossa grandiosa Clarice Lispector. :P

    ResponderExcluir
  5. sim sim *-*
    Essa Clarice é phodástica! kkkkkkkkk =)
    qe bom qe goostou *-*

    ResponderExcluir

\õ/